Juntando os Pedaços - Jennifer Niven

Boa Tarde, Amores.

Tudo bem? Espero que sim. Estou tentando fazer resenha dos livros que estou lendo, anda muito corrido meu dia, pois mudei de estado, devido meu novo trabalho, mas vamos na fé que consiga postar aqui mais vezes. 
A resenha que irei fazer hoje, é de uma autora que adoro o outro livro dela, que é maravilhoso chamado Por Lugares Incríveis (Leiam esse livro ;) ).

Fonte: Skoob


Título: Juntando os Pedaços
Autora: Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Ano: 2016
Nº Páginas:392
Classificação: 5

Sinopse:Jack tem prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer o rosto das pessoas. Quando ele olha para alguém, vê os olhos, o nariz, a boca… mas não consegue juntar todas as peças do quebra-cabeça para gravar na memória. Então ele usa marcas identificadoras, como o cabelo, a cor da pele, o jeito de andar e de se vestir, para tentar distinguir seus amigos e familiares. Mas ninguém sabe disso — até o dia em que ele encontra a Libby. Libby é nova na escola. Ela passou os últimos anos em casa, juntando os pedaços do seu coração depois da morte de sua mãe. A garota finalmente se sente pronta para voltar à vida normal, mas logo nos primeiros dias de aula é alvo de uma brincadeira cruel por causa de seu peso e vai parar na diretoria. Junto com Jack. Aos poucos essa dupla improvável se aproxima e, juntos, eles aprendem a enxergar um ao outro como ninguém antes tinha feito.

Resenha:

O livro conta a história de Libby Strout uma adolescente de 16 anos, que depois de alguns anos volta para a escola, e para cursar o temido ensino médio. Libby mora com o pai, pois sua mãe faleceu quando ela tinha 10 anos, além disso, sofria bullying.
Então desde a morte da mãe sua fobia começou, o medo de morrer de repente a deixava sem ar, e com isso também veio um vazio, que a fazia comer de tudo, tanto que Libby acabou por não sair mais de casa, ficar apenas no seu quarto, pois engordou muito e ganhou o título de adolescente mais gorda dos EUA, e que teve que ser resgatada em casa.
Devido esse acontecimento, Libby teve que passar por um tratamento para emagrecer, e depois de 2 anos e 136kg mais magra, retorna à escola, onde passará por um grande desafio de conviver com algumas pessoas que já conhecia e os novos colegas.
“ Até o fim da vida, tem sempre alguma coisa esperando, mesmo que seja uma coisa ruim, que você sabe que é ruim, o que você pode fazer? Não há como parar de viver. (Truman Capote, A sangue-frio) ”. p. 22

E o livro também fala de Jack Masselin, um jovem de 16 anos, que é negro, mas tem estilo e fala com todos os grupos e é popular entre os colegas, e namora (idas e vindas) a líder de torcida Caroline.
Jack aparenta para todos ser feliz consigo mesmo, mas não sabem que ele esconde um segredo, e que nem a família dele sabe. Jack não reconhece as pessoas, nem seu próprio rosto no espelho, assim como nenhum membro da sua família, mesmo que seja seus entes queridos. Além disso, Jack descobre que seu pai tem uma amante, e mesmo após todo o tratamento de câncer que ele passou e sua família, principalmente a mãe de Jack que ficou ao seu lado, o fez desistir desse caso, que faz com que Jack tenha um ressentimento muito grande de seu pai. E seu irmão mais novo é um pouco diferente, e Jack tem medo que ele sofra bullyng na escola.
“ Às vezes as pessoas simplesmente fazem merda. Às porque estão com medo. Às vezes elas escolhem fazer merda com os outros antes que possam fazer merda com elas. É uma forma de autodefesa de merda” p. 97

A vida de Libby e Jack vão se cruzar, após o amigo de Jack inventar uma brincadeira boba, mas que vai mudar e unir a vida dos dois.  A brincadeira consiste em quem consegui ficar abraçado mais tempo com a gorda, primeiro Jack acha isso bobagem, mas com medo de ser zoado e que descubram sua farsa, Jack acaba abraçando Libby no meio do refeitório da escola, onde começa uma verdadeira loucura, onde Libby no início fica paralisada, mas depois reage e dar um soco na boca de Jack, que não sabe o que aconteceu e acaba caindo.
Depois de muita gozação dos alunos, os dois acabam sendo levados a diretoria e seus pais são chamados.  Os dois vão cumpri detenção, Libby por pichar patrimônio da escola e Jack por praticar bullying.
"Tantos comentários maldosos e desagradáveis e bullying disfarçados de Só estou dando a minha opinião, como a Constituição do nosso país maravilhoso permite que eu faça. Se você não gosta, não leia". p. 106

A história é intercalada, pois em cada capítulo vemos a rotina e sentimentos de cada personagem, onde podemos ver o que cada um enfrenta no dia a dia. E nos encontros da detenção, conhecemos um pouco mais deles e outros que também estão na detenção. A maneira que Jack e Libby acabam se tornando amigos, é super bacana, pois não foi algo forçado, foi construído a partir da percepção que eles tinham coisas em comum, que a vida deles já tinham se cruzados antes, mas aos poucos eles descobrem isso, além de que eles podem se ajudar. 
Libby acaba incentivando Jack a procurar um especialista sobre sua doença, assim como Jack ajuda Libby a encontrar sua força interior. E não é fácil, pois Libby recebe várias cartas em seu armário a xingando (gorda, balofa, que é feia, ninguém a ama, etc.) e isso poderia fazer com que ela desistisse do seu sonho de ser dançarina, mas são contra esses ataques que ela percebe que precisa mostrar a todos que isso não a define. Assim, como Jack percebe que quem realmente gosta dele, vai continuar do lado dele, mesmo que ele não os reconheça todos os dias. 
"Estamos de vendo (...) Você não pode se esconder das suas colegas! Mas quem se importa? Você é linda! Todos nós somos! Nosso corpo é maravilhoso e não deveríamos ter vergonha!" p. 307

A autora Niven, sempre toca em feridas abertos, e não tem medo de cutucar essa ferida, pois é isso que se trata essa história, da ferida do bullying, do preconceito e do medo, de ser você mesmo. Porque as pessoas se preocupam tanto com a vida dos outros e ficam xingando, ofendendo e magoados os outros, que na maioria das vezes nem sabe quem é a pessoa, como realmente essa pessoa é. As pessoas esquecem que a pessoa que eles estão julgando, tem sentimentos e que isso fere, e palavras muito mais que agressão física. 
"Se todo mundo que tem alguma coisa pra falar de mim passasse todo esse tempo, sei lá, sendo gentil ou desenvolvendo uma personalidade ou uma alma, imagine como o mundo seria." p. 107
Eu concordo tanto com essa frase, porque realmente o mundo seria muito melhor se todos em vez de falar mal dos outros, fosse gentil e respeitasse a diferença do outro. As pessoas precisam entender, que somos pessoas com sentimentos, pensamentos, criação e culturas diferentes, então não tem como sermos iguais. 
A autora te faz refletir de um jeito, que você quer transformar o mundo e que você quer ser uma pessoa melhor, para não julgar antes de conhecer, e mesmo depois apenas aceitar as diferenças. Ela parte seu coração, e realmente vai juntando os pedaços com o decorrer da história.
Essa história é maravilhosa, e te faz refletir do início ao final, te mostra que pequenos gestos são tão fáceis para sermos uma pessoa melhor e que ela nos faz aceitar quem somos, mesmo com nossas falhas. E que não importa como você seja, alguém sempre vai amar você. 

Beijos até logo. <3

Comentários

  1. Olá!
    Estou louca para ler esse livro! Amei "Por Lugares Incríveis", a escrita da autora é incrível.
    Amei sua resenha, me deixou com mais vontade de ler, poxa! Kkkkkk'

    Parabéns pelo blog.

    Beijo,beijos
    relicariodehistoriasma.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado Aline.
      E leia mesmo, pois é muito bom essa história.
      E a escrita da Niven, dispensa elogios, pois é maravilhosa.
      Bjs

      Excluir
  2. Ainda não li "Por Lugares Incríveis" e nem esse, mas já quero. Amei o blog. É a terceira resenha que leio sobre esse livro.

    http://obaucultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário