Uma Canção para Jack - Celia Bryce

Boa tarde, amores!!

Eu ganhei esse livro de uma amiga especial, a Camila do grupo Unidos pela leitura, o qual amo. Mas só tive a oportunidade de lê-lo agora, e eu amei essa leitura.

Fonte: Skoob

Título: Uma Canção para Jack
Autora: Celia Bryce
Editora: V&R
Ano: 2014
N. Páginas: 206
Classificação: 5

Sinopse: Uma Canção Para Jack narra a relação entre Megan e Jack, dois adolescentes que se conhecem no hospital onde estão fazendo um tratamento contra o câncer. Megan não consegue compreender, a princípio, que está doente. Nem mesmo sente assim, pelo menos antes do início da quimioterapia. Ela é uma menina de 13 anos que foi recentemente diagnosticado com câncer. Na ala infantil, Megan fica furiosa com todas as crianças gritando, as decorações coloridas e os blocos de construção que a cercam. É durante o seu primeiro dia lá, que Megan conhece Jackson Dawes, um garoto que encara a vida com bom humor. Jack entra na vida de Megan e os dois criam um vínculo que ajuda a menina a ver a sua vida a partir de uma nova perspectiva. Nessa zona nebulosa entre amigos, começa a surgir algo mais.

Resenha:

E a sua vida, pode virar de cabeça para baixo de uma hora para outra, e é isso que acontece com Megan Bright de 13 anos, que descobre que tem um tumor no cérebro, e que terá que passar por algumas sessões de quimioterapia, para depois tentar uma cirurgia.
Mas Megan, logo ao saber pensa que é uma piada, mas ao perceber que seus pais não estão rindo, o jeito é encarar a verdade, ela tem câncer e precisa se cuidar, após cai a ficha, Megan vai ter que se internar no hospital e para piora ficar na ala pediátrica, onde terá que lhe dar com crianças choronas e um único adolescente chamado Jack.
"Mocinhos lutando contra bandidos. Quimioterapia lutando contra o câncer. Tudo isso acontecendo em suas veias e artérias, correndo em direção àquele lugar onde as coisas tinham dado errado. Megan se perguntou se o bem sempre vence o mal, como acontece nos filmes e nos contos de fadas."
Jack chega sem ser convidado no quarto de Megan, e ainda a atropela com o apoio do soro, mas Jack não se importa e com maior naturalidade e um sorriso no rosto da boas vindas a Megan, que de cara decide odiar esse menino, que fica sorrindo, mesmo com a gravidade de se está internado. 
Jack é um adolescente de 16 anos, que está acostumando com as idas e vindas do hospital, pois enfrenta o câncer, mas levar isso sempre num bom humor, e claro se metendo em várias confusões com as enfermeiras do hospital, mas que é adorado pelas crianças da ala.
Como Megan diz, Jack tem um fã clube de meninas com menos de 9 anos, apaixonadas por ele, menos ela, que decide não querer fazer amizade com ele, por ser muito entrometido, e por dizer que suas amigas não iriam visitar-las, e que elas começariam a inventar desculpas. Isso deixa Megan furiosa com ele, mas com o tempo percebe que ele apenas, quis avisa-lá da verdade.  
"Você vai se acostumar com quase tudo. Até comigo" p. 29. 
E quando a realidade aparece, é em Jack que Megan se apoia, formando assim uma laço de amizade e de encantamento entre eles. Megan vai topar fazer várias loucuras com Jack, o qual fazem de seus dias no hospital menos triste e melancólico. 
Megan conhece também a pequena Kipper de apenas 7 anos, que está internada a algum tempo, e que passa por uma confusão de sentimentos devido a doença, mas que enxergar em Megan uma amiga. 
A história mostra, não só percepção de Megan sobre se está com câncer, mas também como sua família e amigos reagem a doença. Mostra como alguns familiares de outros personagens se sentem, além de mostrar o dia a dia das enfermeiras e como elas tem que lhe dar com cada paciente. 
"Olha... Eu só quero que você encare a situação como um todo, só isso, não apenas as partes que doem. Não é só dor. Você não pode transformar tudo em dor. p. 198"
Essa é uma história que te toca, e que te faz pensar sobre a vida. Para alguém que já teve alguém da família com câncer (como eu), sabe como é difícil, porque não sabemos o que dizer, o que fazer para a pessoa se sentir bem, e nem como confortar os outros familiares, é um sentimento de impotência.
Eu confesso que chorei, mas só no final, mas porque é dito algo tão verdadeiro, que te deixa com o coração apertado. 
"Todo mundo se sente perdido de vez em quando, como um náufrago quechega a uma ilha sem nenhuma esperança de sair dela. Às vezes, esquecemosque temos pessoas que nos amam e vão tentar fazer tudo o que estiver ao seualcance para nos ajudar. Às vezes, esquecemos que somos mais fortes do quepensamos".
A escrita da autora é leve, mesmo com um tema tão forte. Faz a leitura fluir de maneira rápida. E no final, ela explica como surgiu essa história, e é muito interessante. 
Jackson Dawes, da altura das portas,parado em pé com aquele chapéu velho e surrado,
cantando aquelas velhas canções,
dedilhando o suporte do soro
como se fosse um contrabaixo.
Badum, dum, dum, dum; badum, dum, dum.
Seus quadris gingam de leve,
a cabeça acompanha,
o sorriso é largo,
do tamanho do sol,
como se aquele fosse um dia qualquer,
como se o mundo não pudesse ficar melhor,
como se o futuro fosse mais brilhante que as estrelas.

Beijos e leiam esse livro :)

Comentários

  1. Olá lindona,
    gostei demais da sua resenha. A capa do livro é linda e me deu muita vontade de ler depois que li sua opinião.
    Amei.
    beijos.

    meumundosecreto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nessa,
      Obrigada meu bem. A capa realmente é linda, foi ela que me chamou a atenção para a história, mas esse livro é lindo, vale a pena ler.
      Beijos!!

      Excluir

Postar um comentário